Pular para o conteúdo principal

Ser corrigido faz parte da dança

Ser corrigido faz parte da dança. Desconfie sempre de um professor que não faz correções: ou ele não sabe o que está fazendo ou não se importa com você. Também desconfie daquele que corrige demais, talvez  ele esteja exigindo além do que você pode fazer naquele momento.
Mas vamos partir do princípio que os professores sabem muito bem o que estão fazendo. A questão é outra. Por que há alunos que se sentem ofendidos quando são corrigidos?
Nem adianta dizer “eu não sou assim!”, porque todo mundo já teve vontade de responder quando recebeu uma correção. Eu mesma tive vontade uma porção de vezes e já xinguei todos os meus professores em pensamento. Em pensamento. Aprendi que é necessário me calar e ouvir atentamente o que estou fazendo errado.
Sim, ouvir atentamente. Não responda, não bata o pé, não faça bico, não tenha acesso de birra. A sala de aula não é a sala da sua casa. E gente mimada, em qualquer idade, não combina com ballet clássico. Você pode até não gostar do seu professor, mas lhe deve respeito. Você foi corrigida? Não é pessoal. Ou, pelo menos, não deveria ser. É muito melhor saber onde está o erro do que fingir que ele não existe.
Claro, nem sempre conseguimos corrigir rapidamente. Também nem sempre basta o professor dizer o que está errado, como se nossa inabilidade fosse resolvida de uma hora para outra. Especialmente quando começamos mais tarde. Mas se a falha foi apontada, preste atenção. Alguma coisa isso quer dizer.
Eu já fui uma aluna mais ardida, mas nunca rebati ninguém por questões técnicas. Em quatro anos de ballet, tive quatro professores diferentes. O meu nível de paciência foi aumentado. Hoje, eu fico quieta. Depois repito em casa. Presto atenção por que certas coisas não saem como deveriam. Ou não saem. Porque são essas correções que farão de mim a bailarina que eu quero ser.
Este vídeo é um belo exemplo de correção bem-feita e bem-entendida. Ensaio da “Variação de Giselle”, primeiro ato, Ópera de Paris. A Laetitia Pujol está sendo ensaiada pela Elisabeth Platel e pela Alicia Markova. Se entendi bem, a Alicia pede a ela para dar mais vivacidade ao tour piquet, enquanto a Elisabeth fala especialmente sobre o passé. O que a Laetitia fez? Ouviu, entendeu, fez e arrasou.

Para mim, isso é saber corrigir. Nem um grito. Nem um estresse. E correção pontual: “Você errou isso, faça dessa forma”. Porque professores que gritam e tampouco explicam claramente o que deve ser feito, não poderão reclamar se os alunos não corresponderem. Eu sempre acho que didática e delicadeza fazem milagres.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brincadeiras para aula de Baby Class

Recursos Didáticos – Brincadeira é coisa séria! A brincadeira deve ser valorizada pois é através dela que se constrói os conceitos lógicos-matemáticos: quantidade, tamanho, distância, etc. A brincadeira diverte e educa através de jogos, dancinhas, concursos, grupinhos, histórias, etc.
1-Técnica Significa fazer bem feito o que aprendeu, libertando energia física e emocional. Deve ser considerada em último plano, pois é conseqüência do trabalho de base.Deve ser exigida somente a partir dos 9 anos mais ou menos.
2-Esquema corporal Ensinar as diferenças e a importância de cada parte do corpo, explicando que podemos mexer com os dedos sem mexer com as mãos etc. Ex: – as crianças sentadas no chão deverão mexer com cada parte de seu corpo independentemente, começando pelos dedos dos pés e ir subindo até tomar todo o corpo.
3-Ritmo/Musicalidade Cada criança tem um ritmo próprio que dever ser respeitado. O professor deve despertar a musicalidade utilizando a música durante as brincadeiras. Ex: – em roda…

Tenho 15 anos, posso começar o ballet nesta idade?

O ideal é começar mais nova porque o físico é mais fácil de ser trabalhado, mas em compensação com a sua idade a consciência corporal é muito melhor e você irá conseguir associar a técnica ao corpo mais rápido, principalmente se tiver certas facilidades como um bom pé, flexibilidade, força, boa memória e musicalidade. Ballet não é fácil e não é a idade que vai mudar isso, o importante é você fazer o que te realiza para que não se arrependa depois...se isso vai te fazer feliz, você enfrentará qualquer dificuldade com coragem e vai valorizar cada sacrifício necessário para ser uma boa bailarina...procure uma boa escola e a ajuda de um profissional para te orientar melhor...e espero que você consiga alcançar seus objetivos no ballet e na vida...!!!!

Quebrando a sapatilha de ponta

Você já deve ter ouvido falar que as bailarinas precisam quebrar suas sapatilhas pra poder dançar com elas, né? Mas afinal, por que quebrá-la? Quebrar uma sapatilha (nova) vai deixá-la mais confortável e mais fácil de subir. Quando uma bailarina quebra sua sapatilha, ela está, na verdade, moldando-a pra que fique no formato de seus pés. Lembrando que tudo começa com um par de sapatilhas que foram escolhidas especificamente e unicamente pro uso de uma bailarina. Na ora de comprar e fazer seu fitting, dê preferência a quem entende e tem experiência no ramo, pois se você começa com um número errado, pra acertar depois fica difícil. E se você já comprou a sua então aqui vão algumas dicas pra te ajudar a quebrá-las e amaciá-las! Amacie a box. Massageie gentilmente as laterais, pressionado pra baixo, como se você quisesse amassá-la. Use as mãos, hein? Seu pé pode danificar a box! Algumas bailarinas amaciam a box ficando em cima dela ou batendo com um martelo ou imprensando na porta. Esse proced…